Pequenas opiniões sobre quase tudo que servirão para quase nada
Segunda-feira, 18 de Setembro de 2017
Champagne

tabuas.JPG

 

A cidade borbulhava, ali, em baixo.

Um formigueiro, uma leve bola de ar e aroma que sobe no ar e se desfaz em mil cores. Quase bola de sabão soprada por miúdos numa festa., num jardim ao ar livre.

A agitação do vai e do vem, era um mantra, uma oração de peregrinos sem destino.

A cidade refulgia de revérberos e tinha a serenidade de uma paz impossível, pois movia-se sem cessar. Ou melhor, parecia mover-se, pois sabe-se que as cidades não se movem.

Os edifícios estão lá, bem afundados no solo, procurando resistir a ventos, tempestades e até tremores de terra ou sismos, se os houver.

Casas, carros, pessoas, tudo tinha um ciclo de vida em sintonia.

Estes sim, agitavam-se como as folhas das árvores ou a cinzas de uma fogueira.

Abriam os restaurantes para limpar mesas e esplanadas, antes de servir a comida, depois as lojas de artesanato, depois as lembranças que cabiam numa bolsa de guardar objectos pessoais, depois ainda as discotecas e os bailes em recintos ao luar e ás luzes empolgantes. 

Passeios cheios de casais, grupos de adolescentes, idosos vestidos como os nativos, estes escondidos em janelas com grades e cortinas de plástico sujo quase não podendo sair á rua sob ameaça de serem atropelados, pulverizados feios em cacos ou personagens decorativas.

De ficarem esmagados em fotografias de recordação.

Efervescência do chão, se o pudéssemos ver de longe, de cima. Aqui ao pé é só movimento e falta de local para estacionar. Não há espaço para andar pelas pedras dos passeios – opta-se pela rua, fazendo buzinar os carros – e atira-se com o lixo para o chão.

Embora a limpeza seja constante, os espaços públicos estão sujos. O trânsito é muito e até as pedras que alinhadas em socalcos fazem degraus se desgastam ganhando uma cova no exacto sitio onde os pés dos passantes raspam fincando-se para subir, cravando-se em escorrega antiderrapante, de solas de plástico ou borracha, para descer

Barulho, máquinas fotográficas, linguajares e revoadas de cantigas algarviadas pela bebedeira da cerveja ou do vinho, em cada esquina uma entorse do tempo a lembrar que tudo aquilo já foi um local pacifico e abandonado antes de estar na moda da transmutação.

Toda a balburdia faz mossa.

Em muitos locais encontram-se pessoas a correr, vestidas com roupa colorida que realça a forma do corpo, em pistas de manutenção física, azuis ou laranja, onde o pé assenta sem o perigo de magoar os ossos do aparelho locomotor, por desnível do chão.

Os espíritos ficam alegres e existe uma noção de prazer que só os clínicos poderão explicar com imagem digna de aceitação e acordo generalizado.

Os espíritos e os corpos bem como o comércio e os serviços, em azáfama de abelha a produzir mel.

Toda esta panóplia de ebulição tem um inconveniente, que não é defeito, antes se auto-alimenta e reproduz: tem de ser renovada rapidamente, sob pena de assentar no fundo e perder as características.

Por isso os barcos entram no porto, largam a sua carga por algumas horas, após as quais recolhem apressados os seus clientes (fazendo a contagem para que nenhum se perca)  e voltam a partir para dar lugar a novos barcos, se possivel maiores e mais bonitos, com mais piscinas e jogos e salões de festas luxuosos em maior numero e ornamentações.

O rio parece cheio de prédios.

Os aviões fazem outro tanto.

Trazem e levam. Aterram e descolam.

As estradas ficam adornadas com autocaravanas em parqueamentos simétricos em cima de tudo que é monumento ou dunas do areal.

Os que estão sempre na cidade embebedam-se com o contentamento dos afogados. Sabem que já não contam, são meros figurantes decorativos. Atores desempregados.

Sabem que não vão sobreviver, mas resignam-se. Persignam-se.

E afastam-se para as periferias deixando a cidade aos turistas.

Lisboa é uma cidade maravilhosa.

 

As bolhas de gás carbónico desfilavam aos olhos dos apreciadores.

Mas o copo, que alguns chama de flauta, fecha o bouquet quando os novelos de lágrima sobem.

Ou melhor, uns subiam e outros desciam, cruzando-se em toda a extensão e, sem esbarrar uns com os outros, criando um circo de artifício sem fogo, sempre na vertical.

A temperatura é fresca.

A pressão no ponto exacto.

Os que sobem vão para santa catarina, para os aliados, para a batalha. Alguns derramam-se pela Boavista.

Os que descem procuram a ribeira, o cais, os barcos que saboreiam o rio.

Miragens de pontes e mosteiros assolam os apreciadores em tonturas de satisfação peregrina.

As cidades já não dormem como dormiam antigamente, ou como dormem as pessoas que se cuidam e conseguiram empregos que lhes permite usufruir da noite para o descanso.

Coitado do varredor de serviço que tem que recolher os dejectos dos outros. Do homem do café, que tem que preparar as sandes para os almoços madrugadores. Das mulheres que fazem turnos e conduzem os transportes na cidade.

As máquinas ligam a rega automática dos jardins e controlam a intensidade electrica da iluminação, as lâmpadas em funcionamento, as luzes fundidas e a precisarem de imediata substituição, bem como a vigilância dos espaços públicos.

Camaras de filmar e gravar criam imagens virtuais de alerta para ocorrências que possam vir a ser pedidas às forças de socorro e segurança, também elas sem horário ou interrupção.

Os hotéis estão fechados, ao mesmo tempo que estão abertos: há sempre alguém a sair para chegar ao aeroporto cedo, ou a chegar, procurando o descanso de uma viagem longa e atribulada.

O fresco mantem a pressão da pressa em circular, em remoer, em revirar e em sorver a espuma da azáfama.

Uma neblina assombra as imaginações. Para os viajantes as histórias são reais e, com a fantasia do delírio, quanto mais grandiosas e obscuras, melhor em degustação.

 A torre sineira, o empedrado, as árvores e o esplendor das casas baixas onde fermentam vinhos e se guardam segredos flutuam no rodopio da borbulhagem.

São histórias antigas. Velhas. Penedos de ilustração.

Ruas, quelhas, becos, escadarias que se tornam leitos de turistas em enxurrada.

Estações de comboios, torres, Igrejas…

O Porto é uma cidade maravilhosa.



carlos arinto maremoto às 09:09
link do post | comentar | favorito

contador
MAREMOTO
pesquisar
 
Novembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10

12
13
15
16
17
18

20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


textos recentes

O Confessor

O pé calçado

O tempo

Sophia, a parturiente

sete novembro

Gado Transmontano

Demanda

PEGADA ONCOLÓGICA

necrófago

Pau de canela

arquivos

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Junho 2016

Janeiro 2014

Março 2013

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

tags

todas as tags

links
alô planeta terra

localizador ip
hora de inverno
hora de verão
contador
a partir de:
28.03.2010