Pequenas opiniões sobre quase tudo que servirão para quase nada
Quinta-feira, 19 de Janeiro de 2017
Um livro que não existe! (ainda)

a invasão do norte.1.jpg

Entrevista aos autores do livro:

“Antes Quebrar que Torcer”- 1809 A invasão do norte de Portugal

 

Um livro que não existe (ainda)

 

  • Porquê a segunda invasão francesa, e não outra, das três - ou quatro - que houve em Portugal no século XIX?

 

  • Jorge Santos:

Encontro sempre inspiração para escrever sobre os episódios da nossa história, que é tão maltratada. Mais do que uma sucessão de actos políticos e de alterações sociais, tento sempre responder, da melhor forma que me é possível, à pergunta sacramental: como é que as pessoas viviam nessa época, e que implicações trouxe para o Portugal do Presente. Esta amálgama de culturas que é o nosso povo não se formou do nada.

Neste sentido, porque sou residente na região de Braga, interessou-me perceber o que aconteceu durante a passagem das tropas napoleónicas na nesta cidade. O que descobri, provou-me a validade do projecto. Relembrar estes acontecimentos é importante para percebermos um fragmento da alma do Português em geral e das gentes minhotas em particular.

 

             1.2 Carlos Arinto:

É uma invasão estrangeira, em Portugal, que espelha bem o norte e as gentes do norte. Normalmente fala-se na “tragédia da ponte das barcas” mas esquece-se o resto. E o resto é muito.

            1.3- Manuel Amaro Mendonça:


Confesso que as Invasões Francesas, em particular a segunda, que teve como alvo o Norte de Portugal, sempre me interessaram. Desde criança, a visão da lápide das vítimas da tragédia da ponte das barcas me fascinava. Nasci em São Mamede de Infesta, o local onde se estabeleceu o acampamento das tropas francesas e conhecia uma casa onde estiveram aboletados alguns oficiais. A ponte romana, conhecida apenas por “Ponte de Pedra”, foi local de passagem das tropas a caminho do Porto. São referências mais do que suficientes para despertar o meu interesse e paixão.

            1.4- Suzete Fraga:

Eu estou inocente, juro! Só aceitei o desafio que me propuseram. No entanto, o tema agradou-me imenso, não só pelo desafio em si – logo eu, que apenas gostei de História quando cheguei à parte da civilização egípcia e os seus métodos de embalsamento dos faraós -, mas também pelos danos colaterais que sofremos, muito particularmente o saque e destruição de património  no meu concelho e arredores.

 

 

  • Sendo o assunto, apenas um. Um facto histórico conhecido e bem documentado, qual o interesse em escrever literatura sobre este tema?

 

2.1- Jorge Santos

Relembrar o passado é fundamental para sabermos quem somos. A arte é uma forma de expressarmos a nossa memória e a literatura é a única forma de arte onde consigo fazê-lo com um mínimo de competência.

             2.2. Carlos Arinto

A literatura revive o passado e mostra lados desconhecidos. Recria outros e tira conclusões que nem sempre estão à vista de todos. Até porque o tempo vai permitindo melhorar a forma de olhar o passado, hoje tão modificada, pela natural evolução da arqueologia, dos testemunhos e da teses apresentadas, que permitem uma visão mais perfeita e consciente do que houve.

            2.3- Manuel Amaro Mendonça

 Não se pode dizer que é um facto bem documentado. Há realmente muita coisa escrita, mas também altamente contraditória. Há relatos de portugueses, franceses e ingleses. Se concordam no essencial, houve uma invasão, uma derrota e uma retirada, diferem no número de vítimas, nos atos e na importância dada aos mesmos. De resto, não falta sobre o que escrever, a maior parte dos livros sobre qualquer uma das invasões, estão centrados “na tropa”, nas operações militares e esses relatos diferem imenso dos relatos ingleses para quem os portugueses não tiveram senão um papel secundário. Para mim, a segunda invasão, foi “a guerra do povo”. Na maior descoordenação, típica da falta de treino militar, o povo português viu-se sozinho a enfrentar o exército mais poderoso do mundo, uma vez que a maior parte da tropa que sobrou da desmobilização de Junot, encontrava-se no sul a defender Lisboa… com os ingleses. Foram basicamente as milícias mal treinadas e mal armadas, o povo, armado com o que podia e até os clérigos, que deram luta e disputaram cada quilómetro com o inimigo. Quando o exército inglês chegou ao Porto, já Chaves, Braga, Guimarães, Porto, Penafiel e Amarante sofriam a selvajaria do invasor.

 

         2.4- Suzete Fraga:

Agora, depois de “burra velha”, é que encontro nestes pedaços de História grandes lições de vida.  É com o passado que podemos evitar erros no futuro, daí a sua importância vital investigar e escrever sobre o assunto, ainda que, em tom de brincadeira.



carlos arinto maremoto às 16:31
link do post | comentar | favorito

contador
MAREMOTO
pesquisar
 
Janeiro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


textos recentes

Um livro que não existe! ...

O Velho e o Mar

Aquela Janela

Um postal dos CTT com est...

carlos arinto

O Porto aqui tão perto

Antologia de contos liter...

...

...

atm

arquivos

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Junho 2016

Janeiro 2014

Março 2013

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

tags

todas as tags

links
alô planeta terra

localizador ip
hora de inverno
hora de verão
contador
a partir de:
28.03.2010