Pequenas opiniões sobre quase tudo que servirão para quase nada
Segunda-feira, 26 de Março de 2018
Um rio sem barcos

Hoje não há barcos a cruzar o Tejo

As ondas chocalham e o vento pragueja

As pessoas ficam no cais sem saber o que fazer

Hoje não há barcos a cruzar o Tejo

O rio não se deixa rasgar e navegar

E quem é de lá, lá fica. Quem é de cá, não vai.

E também o contrário se invertermos o mapa.

Nada de nomes gregos, Neptuno e coisa e tal.

É mesmo a circunstancia que faz ser assim

A lua dirá o poeta. Qualquer fenómeno,

Contará o metereologista. A natureza dirá Deus.

 

Hoje não há barcos a cruzar o Tejo.

Hoje não há barcos a cruzar o Tejo.

 

Hoje o Tejo é um rio sem barcos.



carlos arinto maremoto às 17:20
link do post | comentar | favorito

Domingo, 25 de Março de 2018
advento

Reuniu-se o grupo

se-cre-ta-mente.

Falou, debateu

Discutiu e votou.

No final, cada um

Fez o sinal combinado

Baixou os olhos

E perdeu-se na luz.

Ficaram as pedras

O altar, os galhos

Onde se sentaram, 

E ao longe

O fuso da lua

Em espiral sugada

Ganhou flâmula

Cabala, significado,

Destino.

Se-cre-ta-mente

Os dias foram 

E cada um foi

No que a vida

Determina, pela

Posição de todas

As estrelas,

E o que nelas

É possivel ler,

compreender

E aceitar

 

O futuro

Será passado.

Mas agora,

É hoje!



carlos arinto maremoto às 10:55
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 22 de Março de 2018
trintanario

Sinto o cheiro das ondas. (sim, cheiram a altas montanhas,

A barcos afundados, a terríveis dores) e solto o berro da gaivota

- Breee!!! Breee!!! Bree!!! Bree!!! Bree!!! Bree!!! Bree!!!

O vento afia as garras na espumas dos novelos de água

Que chegam á costa, sem surfistas - lá dentro!

As nuvens vêm ver o que é e ficam baloiçando entre uma valsa

(frágil, ligeira, uma quase ampola de fragância e divergência)

E as pedras. São conchas, areias e medo. São aranhas do mar.

 

O hotel tem cinco estrela. É caro. O serviço esmerado.

O areal foi substituido por cortinas de velcro, que fazem passadeira

Entre o luxo comprado e o inferno da natureza zangada.

 

O borbulhante aquário da vida é uma falsidade encenada.

 



carlos arinto maremoto às 19:27
link do post | comentar | favorito

Manhãs de viriato

 

1.

Os Corpos rolam pelas pedras, em todas as ruas de Lisboa

Que pedras já não tem. Pedras antigas, descalças.

 

Num vão de escada, numa alçada, num ninho de águia peneireira

As pedras de Lisboa são sóis, fogueiras... ágapes de culto

 

Corpos que trazem chuva e orvalho à terra, e nela espigam

Florescendo e enchendo os campos de papoilas, rosas, cheiros,

Amando tudo o que respira no silêncio de um olhar, num sorriso

Na flauta de um amanhecer cantado, em água fresca e movimento.

 

Missa, procissão, entorna de queijo em dia de largada de borboletas

 

Pássaros e nuvens em torvelinho. Lenha queimada. Alvorada!

Quero-te comigo, mulher, deusa, relâmpago. Vigília de sal:

Um raio de sol que se torna chama, fruto, verdade e paraíso.

Um risco, no cetim dos orvalhos, um traço na ligeira brisa, faúlha

 

No amarelo dos plantios, cheios de rouxinóis e sapos e gargalhadas

No negrume verde dos azuis, em todos os canaviais, que são alma e fado

Chicote, vergasta , açoito. Morno delírio da sedução. Beijo!

 

Estendemos a mão à foice das palavras para dizer: serenidade!

No ocaso da génese e da gestação. Sempre madrugada e início.



carlos arinto maremoto às 18:58
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 20 de Março de 2018
primavera

Hoje o dia foi de sol

com alguns aguaceiros

- que banalidade!

Sim, as coisas banais

fazem parte da nossa vida.

O épico, o mito

e a coragem

Ficaram no passado 

Que foi vida

E gloriosa vontade

de a todos ser:

A republica, a guerra

a revolução, a lágrima

Que foi dor e alegria

São tudo agora

banalidades, coisas

sem importãncia

Que morreram antes

Das cinzas de nós.

Hoje foi um dia de sol

Com algumas abertas

Com aguaceiros.

 

Começou, 

A primavera!



carlos arinto maremoto às 20:42
link do post | comentar | favorito

Domingo, 18 de Março de 2018
poema triste da mãe

Foi preciso a mãe adoecer

Para perceber 

Que não havia vagas nos hospitais.

Foi preciso morrer

Para perceber

A indiferença e a solidão

Da vida, da escola, do casamento

Do emprego, da idade...

Foi preciso matar o sonho

Para entender que além fica o só

Onde nem medicina, nem ciencia

Religião ou boas-intenções

Contam! Ajudam! Existem!

Foi preciso a mãe morrer

Para perceber a orfandade!

 

A Mãe morreu, hoje!

 



carlos arinto maremoto às 10:23
link do post | comentar | favorito (1)

Sexta-feira, 16 de Março de 2018
Titulo de propriedade

Quero uma ideia 

Que seja mais do que um pensamento

Quero uma ideia que seja

Esforço, consequência, já antes desejo

Quero uma ideia que seja capaz

De se alimentar sozinha e viver comigo

Em qualquer esquina do céu ou da rua

Onde possa morar eternamente.

 

Uma ideia com sentido

Razão, paixão, beleza

Uma ideia de algodão

Onde caiba o meu coração

 

Pode não ter sentido e ser apenas uma ideia

Mas é minha!

(Que importãncia tem?, dirás! Nenhuma! Respondo)

É que o sentido que a vida tem é equivalente

A um delirio, a uma mentira, a um embuste matreiro

- como são todas as promessas e boas intenções - 

Por isso tanto me faz. Quero uma ideia que não morra

Que me abrace e me embarace, sempre, onde estiver

Num atrevimento de viajante numa paixão num amor.



carlos arinto maremoto às 13:05
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 15 de Março de 2018
No tempo em que Hawking morreu.

Tudo vai de empurrão, que nada permanece no mesmo sitio por muito tempo.

As águas correm levando pedras, terras, àrvores, vidas.

 

O universo regressa com suavidade

Num raio de luz, numa flor, num bater de asas

Suavemente,

 

Toda a vida se destroi, sem infinitos

E depois, em volteios tudo renasce

Como se nunca tivesse existido.

 

Eu vivo num quarto fechado onde a luz não entra. Nesse quarto durmo.

Como não pressinto a madrugada, a noite prolonga-se, e os mortos

Estão comigo, porque eles nunca vêm a luz do novo dia que começa.

(Os meus mortos são só meus, existem porque eu existo)

 

Celebrar a vida ou celebrar a morte é a mesma coisa!

 

E amanhã, sem águas em furia,

Depois de todos os renasceres anunciados

A terra secará e mais pessoas se extinguirão

E tudo voltará a ser como dantes.

 

Eu quero a vela e a caravela que voa no espaço

Em quilhas desfraldadas vou sem rumo

Porque de tudo o que me lembro, guardo o esquecimento

 

Alguém será um tempo... para nós!?! 



carlos arinto maremoto às 09:41
link do post | comentar | favorito

Sábado, 10 de Março de 2018
erotismo

Hoje a aula, foi sobre erotismo.

Confesso que não percebi nada.

Dizem-me que erotico é estar nu

Falar dos corpos e dos sentidos

Qualquer coisa que se aproxima...

Um adivinhar que encanta.

 

Será que queriam dizer sexo?

Não! Não! o erotismo não é sexual

É apenas um afloramento 

Uma restrição que pode ser ...

Proibição condenatória

Algo interdito e escondido.

Imoral (importa-se de repetir?)

Como uma laranja aberta ao sol

Num dia de verão.

Que se come com a boca e a mão.

Pergunto!?

Na minha ingénua ignorância.

 

Senti que havia receio

Como se uma vela explodisse

(coisa que as velas nunca fazem)

E nessa coisa impossivel

Arrastasse para longe

O eterno, o sublime, o magnifico,

Consumindo sorrisos, águas, 

Cores e luzes de todo o Universo! 

 

Há uma gigantesca fenda

Algures entre galáxias

Onde a atração é voraz e tudo

Consome, porque é da sua

Natureza ser energia.

 

O erotismo é sedução

 

Na cidade fotografada

A aula versava o erotismo

Confesso que não percebi nada.

Não sou fotografo.

 



carlos arinto maremoto às 18:34
link do post | comentar | favorito

Sábado, 3 de Março de 2018
meu desejo de mim

E depois de mim os que existirem

E porque de mim vieram e me conhecem

Farão a terra ser casamento, casa e vida

Recordando com o amor de sempre

Os que antes de nós foram e aqui viveram.

 

Protecção eterna - prometo!

Aos que regressam e nunca  esquecem

Aos que povoam os meus sonhos

Aos que comigo se deitam e comigo,

Depois da noite, se erguem para o trabalho

Na luz da aurora até á luz do poente.

 

Embalo a esperança e a ilusão

De que aos filhos dou futuro e saudade

Vida melhor, liberdade!

 

Sou herdeiro de longuinquos passados

E numa mão aberta, num bater de asas,

Faço voar o pássaro que me tras o novo

E o igual desejo antigo. Tudo renasce!

 

 



carlos arinto maremoto às 11:56
link do post | comentar | favorito

contador
MAREMOTO
pesquisar
 
Abril 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
13

15
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


textos recentes

bom dia

alentejo

A paixão segundo o autor

alterações climaticas

biografia

saudade

domingo

Um rio sem barcos

advento

trintanario

arquivos

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Junho 2016

Janeiro 2014

Março 2013

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

tags

todas as tags

links
alô planeta terra

localizador ip
hora de inverno
hora de verão
contador
a partir de:
28.03.2010