Pequenas opiniões sobre quase tudo que servirão para quase nada
Terça-feira, 26 de Novembro de 2019
Macaréu

Do mar, das areias, das algas e do sal

Que se embrulham e revoltam

Do livre sonhar com turbulências infinitas

Estalada de água, bofetada de encontrão

Choque de marés e de esperguiçar

Onde germinam violências e tumultos

Rio acima até mim, onde sou espuma, 

Salpico, cheiro, cor, poalha e nevoeiro.

 

Sou insolente e deselegante

Sou estrangeiro.

Sou o ultimo, sou o primeiro.

 

Gaivotas e dedos de cristal

Luzidias botas

Farois e vento norte

Moro neste apeadeiro.



carlos arinto maremoto às 16:27
link do post | comentar | favorito

Domingo, 24 de Novembro de 2019
zunido

Tinha de se arranjar

Qualquer coisa

Que não ofendesse

(muito)

Então 

Chamaram-me poeta.

Eu não me importei,

Afinal, agora, 

Já era qualquer coisa!

 

E assim me despedi.

Adeus poeta!

Que os bons ventos

Te levem e tenhas saúde

Eu fico com a guitarra

Que era do meu pai,

Com as agulhas do tricot

Que eram da minha mãe

E o sorriso e a voz

Dos meus filhos

(que continuo a ver

e a ouvir, como sempre

como se fosse agora

a primeira vez)

Filhos,

Alvos de neve

Escuros de caruma

Doces como a alvorada

O silêncio e a trovoada.

 

Tinha de se arranjar

Qualquer coisa

que não ofendesse

Muito.

 

Encosto a minha cabeça ao teu ombro

E deixo-me ficar.

Sem noite, sem remédio, sem poesia.

Só eu, 

E este tempo frio, e

Este braseiro

que não me aquece os braços.

Só, na companhia dos que amo

Envolto em milhentas

Solidões, 

Encontro resistência

Para me sustentar

Alimentado pelo mundo.

 

A poesia pode ser verdade

Emergencia, vontade.

 

 



carlos arinto maremoto às 18:26
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 14 de Novembro de 2019
invisivel

Invisível é o sonho

E a silhueta dos que amam

Invisível porque existe

Para lá da vida

Em brumosos encontros

Em indelével fermentar

Em sussurro.

A brisa acaricia o mar

Quase não lhe tocando

Faz-se invisível

Para o contentar.

Aparece desaparecendo

E desaparecendo

Aparece. Está aqui!

Brinca, maroto

O invisível

Sendo caldo,

sobreposição

De camadas telúricas,

Pura energia fóssil

combustão.

 

O sopro não tem visibilidade

E os nossos olhos pouco enxergam

Tal como o pensamento

Que não pode ser acorrentado

Lá onde o nada se resolve

Em toda a matéria do universo.

 

Invisível é a vontade!

 

 



carlos arinto maremoto às 18:25
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 13 de Novembro de 2019
retorno a Babel

Depois de Babel

(muitos anos depois

retornamos a Babel)

Os homens sentam-se à mesma mesa

E falam sobre o desconhecido

O que não conhecem

E o que sentem.

Não precisam de se entender

Na forma da lingua,

No som, nas palavras,

No cortiço e na colmeia

Das suas origens

Conhecimentos -

diriamos: culturas -

Expressões, aldrabas

Miriades de encantamentos

Alfabetos, regras, regulamentos

Gramáticas.

Fazem-no pelo gesto

No olhar, no aperto das maõs,

No abraço

Também na luz dos olhos

Que chispam

Que faúlham,

No indefinido sentir

De que somos unos, iguais

Completos!

 

Somos!

E isso nos define.

 



carlos arinto maremoto às 17:05
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 12 de Novembro de 2019
Coluna de Hércules

Mar de ondas em canhão

Vento de arriba e nortada

Frio, gelo,muito frio.

(embrulho as mãos nos bolsos do sobretudo)

Não sei se é chuva ou salpicos das ondas

(não sinto os pés, as pernas ou o nariz)

Olho a distancia e um nevoeiro maligno

Venda-me a vista e não descortino nada.

Sou pedra e musgo, estátua, padrão e sal

O mar é meu companheiro e namorado

Sim, o mar é solteiro. 

Quem me fustiga, testa a minha força

E eu resisto.

(Depois de uma noite mais violenta,

Um céu claro abre-se e a luz purifica-me

Dormimos um dia profundo, serenos

Nem o barulho das gaivotas nos incomodam

Somos passageiros da viagem que a terra

Rodando nos oferece)

Do alto da minha coluna de faroleiro

Saúdo a chama do tempo

Que vigia

Que orienta

Que conduz

Que nos alimenta

Seduzindo a trovoada da vida

Apaziguando o medo e o queixume.

Sou nazaré!

 

 

 

 



carlos arinto maremoto às 18:31
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 11 de Novembro de 2019
A mão que dá

Vejo caminhos, nas pontes que procuro

E vou neles até ti

Sei que somos estranhos e opostos em tudo

Mas acredito que podemos conversar.

Vejo caminhos em zigzag ou em rectas sem fim

Uns alcandonados em escarpas

Outros arrojando-se em vales profundos

Todos como serpentes, combinando-se

Para me dificultarem a caminhada.

Aqui um desabamento, um colapso atrasa-me

Ali um vento medonho empurra-me para trás.

As pontes têm duas margens: uma começa

Do lado de cá. A outra começa: Do lado de lá.

O que seria do meu caminho sem pontes?

Tudo começa no dia em que nascemos

E depois continua, continua, continua...

Até que somos nós,

E nos transformamos e modificamos 

                                                  como uma flor

Que continua a ser, como nós, quando já não

       a vemos, nem escutamos, mas sentimos

No entrelaço da vida, da procura e da resposta

Que sentido faz a mão que encontra?

Que sentido faz a mão que acarinha?

Que sentido faz a mão que afaga?

O sentido que a vida nos dá!



carlos arinto maremoto às 19:11
link do post | comentar | favorito

MAREMOTO
pesquisar
 
Dezembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


textos recentes

love is all you need

pisca-pisca

Macaréu

zunido

invisivel

retorno a Babel

Coluna de Hércules

A mão que dá

os tempos

livraria do mondego

arquivos

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Junho 2016

Janeiro 2014

Março 2013

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

tags

todas as tags

links
a partir de:
28.03.2010