Pequenas opiniões sobre quase tudo que servirão para quase nada
Terça-feira, 31 de Março de 2020
Erro

Não somos donos do cão com que vivemos, 

Do gato ou do pássaro de que gostamos

E vivem lá por casa. 

Não somos donos de nada.

 

Amigos dos animais não são donos

São parceiros: alimenta-nos, 

Cuidam deles e eles retribuem. 

Não há aqui donos, isso é bizarro, 

Escravatura, tentações de poder 

Sobranceria eclesiástica. 

 

Tenham juízo! Não domestiquem

Ensinem! 

E já agora, apanhem a merda do cão 

Quando forem com ele à rua. 

Um tem responsabilidades, 

O outro não. Ambos fazem companhia

Se entretêm e se abraçam, ambos 

Precisam um do outro. 

De donos, Não! 

 

 



carlos arinto maremoto às 20:07
link do post | comentar | favorito

Neva

Começou a nevar, em alguns sítios, 

A norte, neste País.

Começou a nevar e houve admiração.

Nao percebo porquê ? 

Porque sempre, por esta altura do ano

Neva, ou negava antigamente.

E a neve cobre as montanhas, os Telhados 

E congela as almas dos que têm alma.

E daqueles que a perderam em batalhas

Passadas, em tráfegos anteriores, 

Em comércios de sobrevivência. 

 

Não se pode ter tudo!

 

 Fiquem com a neve e o frio. Agradeçam

O planeta estar a regressar à normalidade. 

Já agora, agasalhem-se!

Se daqui a mil anos encontrarem esqueletos

Soterrados na neve, tenham a certeza, 

Garantam, que não é o vosso. 

Um conselho de quem não tem autoridade

Mas é português. A alma fica descansada. 

 

Meio termo e caminho entre química e biologia

Que não se vê nem se mede mas existe. 

 



carlos arinto maremoto às 12:20
link do post | comentar | favorito

Ficamos assim

Não se fala mais nisso. 

Ficamos assim!

Assim, como?

Como estamos!

- já não seria mau, mas, 

Dizem que vai piorar

É inevitável. 

Será o que for,

não chega

Dizer basta. 

Então, ficamos assim, 

Conforme combinado!?! 

Assunto arrumado. 

 

Ficamos assim,

enquanto tudo não seja diferente

Depois, ficaremos

Como ficarmos assim ou outrossim

Ou do outro lado. 

 



carlos arinto maremoto às 02:46
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 30 de Março de 2020
Nada para dizer

De que podemos falar quando todas as palavras se acabam?

Quando não há mais nada para dizer 

E o silêncio substitui a voz, a escrita e o pensamento.

De que podemos falar com os olhos, as mãos ou o corpo

Onde cada gesto é uma palavra, uma frase, uma mensagem

A comunicar, espalhando sentimentos, ideias, chamas, 

Agradecimentos, buscas, consolo, apelos, urgências

Quando não há mais nada para dizer. De que podemos falar? 

O silêncio contém todas as palavras

E não há mais nada para dizer. 

Tudo foi dito ou ficou por dizer. Não há mais nada

Para fazer! 

 

Triste! Triste faltarem-nos as palavras, os argumentos 

O sentido de uma carícia, uma força para a luta

Que a palavra é punhal, faca, bistori e cateter

Que nos sangra as dores e alivia o sofrimento. 

Triste não haver mais nada para dizer e assim nos calamos.

 

Amanhã, os pássaros acordarão mudos. 



carlos arinto maremoto às 17:49
link do post | comentar | favorito

Chuva

Finalmente chove. 

Não era para chover?

Enganei-me no prognóstico?

Se chove é porque está  tudo bem

A chuva é divina, limpa, 

Cria, amansa, refresca, 

Faz-me bem! 

Gosto da chuva em Março 

Do Abril que se aproxima

E com chuva lavo a razão 

O pensamento, a alma, 

Se é que a tenho, os olhos

E a visão. 

 

Tudo ficou mais nítido, brilhante

Transparente, 

Depois da chuva passar. 

 

Desconfio de que possa haver esperança! 

 



carlos arinto maremoto às 11:42
link do post | comentar | favorito

A noite

Escura a noite. 

Passa o carro do lixo

A fazer o seu trabalho. 

(carregado de funcionarios

Vestidos de fosforescente) 

Não há vivalma em redor. 

Um ou outro transporte isolado, 

Ruas desertas e noite fechada, 

Nem luzes nas janelas. 

A cidade fantasma existe aqui 

Onde se escondem pessoas

Assustadas. Humilhadas.

Inquietas.

Escura a noite

Apesar das luzes em toda a cidade

Em todas as ruas, praças, avenidas. 

A noite está de tocaia

Sem nuvens, sem luar, sem barulho 

Como se esperasse... Um desfecho

Que não tem noite para acontecer

Uma qualquer surpresa, 

Apanhada em flagrante, 

Resultados, indulgências... 

Consequências. 

A cidade não dorme, mantém-se neutra

Escura, apática, solitária, insana

Densa e perigosa como um covil

Onde se ocultam formigas, aranhas

Sustos e pavores tão medonhos 

Que todos os bichos da noite

Em uníssono, se retesam no salto

Do ataque à presa indefesa, distraída. 

As pontas dos cornos de um boi 

(pujante, preto, em espera) 

Em planície ondulada

com manchas que tresmalham

alçapões, armadilhas e ratoeiras

(visto, tapado, escondido, adivinhado,

mais do que vislumbrados) 

Perfura o negrume denso, baixo

Do nevoeiro que agora cobriu

O pantano e o lago, o jardim

O coreto e o recreio. 

 

A noite segue os rios, os mares

As montanhas e os faróis de um carro

Vigilante, que acabou de passar a portagem. 

A noite tem sentidos felinos, gatos pardos, 

Mistérios consentidos e medos exagerados. 

 

 A noite é fruto torrado. Fio de azeite. 

Tudo que tenha sentido na noite

Morre na noite. 



carlos arinto maremoto às 02:15
link do post | comentar | favorito

Domingo, 29 de Março de 2020
Despedida

Não há despedidas

Nem beijos nem abraços. 

Lágrimas e dor

Ficam sem destino 

E apenas os mortos

Sabem que a eles

Eram dirigidas

As palavras que nao

Se disseram, 

Os gestos que ficaram 

Por fazer

O grito que não saiu

Da garganta. 

Não há despedidas

E todos morremos

Um pouco

Em cada noticia

Dos que se vão.

A despedida é a partida

O adeus o gesto

O silêncio do tributo. 

Despedimo-nos

Para ficarmos.

 

E ficamos sem o último gesto

A derradeira homenagem. 

Depois explode o vazio

Quando percebemos que estamos

(Mais) sós! 



carlos arinto maremoto às 22:06
link do post | comentar | favorito (1)

Aleluia

Hoje acordei inspirado e não ensonado.

Hoje acordei com a lua já deitada

E com a cama amarrada ao pensamento

Puxei a alma para fora e deixei o corpo

mais uns minutos com ela,

A cama, Os lençóis a almofada... 

Arranquei numa euforia, num desatino,

(febre certamente,) 

à procura do tempo que perdi e nunca vou recuperar

Depois acalmei...é melhor ir devagar!

 

A inspiração amainou, acentou, fiquei a pensar que era outro

Regressei ao corpo e levantei-me sem mais questionar.

O sol entrava pelas gelosias gretadas do tempo, 

havia barulhos na praça, umas vozes, uma arruaça.

Que bom que o mundo tenha regressado. Mesmo em pijama

Desci as escadas e fui ter com ele, com o mundo,

Com a vida, com os que festejavam. O dia começava!

 



carlos arinto maremoto às 10:03
link do post | comentar | favorito

Sábado, 28 de Março de 2020
Os demónios da minha vida

Prevê -se que o demónio continue

Que vá adiante.

O demónio! Que sabemos nós dele? 

Apenas que se chama assim e que é mau

Como todos os demónios, que 

Nos infernizam a vida,

ou não fosse ele, o demónio... 

Demónio do diabo, diabo de demónio ! 

 

Que continue, que cumpra o seu destino

Avante nesse cavalgar, que seja comboio bala

Razia, jacto, avião. Que não lhe falte maldade

Crueldade, disposição, nem tão pouco tesão. 

 

Estou com azia, só de pensar, os demónios,

Os meus e dos outros, quero matar!

 

de demónios estou  farto, por aqui...

(já nem posso ouvir falar deles) 

Sejam eles chineses, quadrados ou de outra nação 

(às pintinhas, como pompons de cortinados) 

Ou demónios domésticos de usar em casa

(como um gato, uma tartaruga, um cão) 

Animais rabudos, rabujentos, demoníacos até

(que rapam, esfarrapam, descozem e estilhaçam) 

E que fazem a nossa desgraça. Por vezes, muitas vezes

Sem graça. Mas com quem temos de ter compreensão.

 

Demónios todos temos, dormimos com eles

São-nos familiares, amigos, companheiros. 

 

Agora demónios, demónios verdadeiros? 

Esses dispenso e nego que os haja, 

Mas por via das dúvidas afugento-os com alho

Sabão, água vinagre e porrada. Muita porrada! 

Sim, precisam de ser maltratados, escorraçados

Pisados, destruídos, empalados, sodomizados, 

Queimados e esquecidos para que o seu nome

Seja, jamais dito. Esquecido. Impronunciado. 

 

Para longe demónios do caralho. 

 

 



carlos arinto maremoto às 21:36
link do post | comentar | favorito

Fds

Alerta!

Não confundir

Fds com fdp

Amanhã vai desaparecer uma hora 

Das nossas vidas. 

Porque muda? 

Porque me roubam, assim? 

Não me tira o sono quem quer

Viverei até que o corpo me doa

E as pernas e os braços  

Aguentem. 

Viverei sem horas, sem recreio

Sem companhia,

Viverei no segredo e na reclusão 

Que me alimenta e rejuvesnece

Como uma água de batizado. 

Cada Fds é um fdp a menos

Ultrapassado, esquecido, dominado

Morto pela exaustão. 

- vou passear o cão! 

Que saudades de um sol no rosto 

De um vento na cara, 

De uma fonte onde beber agua

Na beira da estrada. 

Que saudades de ser eu 

E ter vinte anos. 

 

Porque o tempo só viaja num sentido

E é na direcção dos ponteiros do relógio 

Quem dá não empresta, por isso não podemos

Devolver. A vida é uma dádiva e passa a correr. 

 



carlos arinto maremoto às 10:14
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 27 de Março de 2020
Fim do dia

Cansado por fazer o que quero

Satisfeito por ter conseguido, 

Findo o dia a arrumar gavetas 

A fechar armários a arquivar

Pastas de documentos

E a catalogar fotos antigas. 

Ajeito a almofada e esforco-me

Por não pensar. Quero dormir

Descansar. 

 



carlos arinto maremoto às 23:33
link do post | comentar | favorito

Intermitências (umas vezes sim, outras não)

Acordo a pensar que é dia, 

Mas ainda não amanheceu

Acordo e ainda é noite, 

Ouço uma voz que me diz

 que o dia faleceu.

Pensava que dormia,

Pensava que acordava

Penso em descansar. 

Deixem-me aqui parado

A pensar que namoro

Que estou nos paraisos

Dos contos de fadas,

dos deuses que prometem 

Das oníricas mil noites exóticas 

De uma qualquer terra distante

Onde tudo é emoção, veludo

Cetim e erotismo. 

Deixem-me sonhar.

É pelo sonho que iremos

Construir O depois. 

 

Levanto-me, vou trabalhar, 

O mundo não se faz a sonhar. 

 

 



carlos arinto maremoto às 12:55
link do post | comentar | favorito

Sintomatologia

Chegaram os primeiros sintomas

Com o ar fresco da Primavera. 

Ainda não há flores, nem pólens

A esvoaçar,

apenas um ténue sol brilhante

Uma casca de esperança 

A cobrir e agasalhar os troncos

Da árvores 

Que se vão vestindo de verde.

Mas há indícios de nervosismo, 

De impaciência, de irritação.

Calma que a natureza tem o seu tempo

A sua velocidade 

Da gestação ao passamento. 

E nesse espaço de interim

Vai uma curva de mundos e emoções 

preenchida com serenidade. 

Não se apressa a natureza

Sob pena de obtermos falsidade, 

Impostura e inverdade. 

Os primeiros sintomas são graves

Afectam como bisturis o tecido

Do nosso comportamento. 

Depois rectificamos, regularizamos

E damos por adquirido o menos mau. 

E assim nos transformamos, 

Mais do que evolução 

E um processo de transfusão

De transvase. 

 

 

Fica sempre um resíduo de desânimo

Fica sempre uma faca apontada à garganta. 

Fica sempre criado, emergindo do nada, 

um diamante por delapidar.

 

Não, o nosso mundo não vai acabar! 

 

 



carlos arinto maremoto às 12:08
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 26 de Março de 2020
Day after

Sabemos que o mundo é feito de vulcões, 

De erupções repentinas, de abalos, desabamentos

De erosão. 

Sabemos que os mares se entornam e enfurecidos

Arrasam e desbastam.

Sabemos que o fogo mata, mas reata a vida. 

 

E nesta sabedoria milenar

Neste percurso entre o tudo

E o nada, o desaparecido

E o criado 

O Homem está para ficar. 

 



carlos arinto maremoto às 12:41
link do post | comentar | favorito

Esgueiramento

Escapadinha ou escapadela

Fui ali à rua falar com ela

Tudo numa rapidinha. 

(as palavras mudam de sentido

À medida que as usamos e o tempo

As arrefece, depois de quentes

Saírem do forno. 

As palavras são o pão-nosso--de-cada-dia)

Que saudades de um tumulto

De uma algazarra, de um ajuntamento

E também de um peixe assado

De um cabrito estornado.

(saboreado à mesa de um restaurante)

Agora corremos curvados, 

Protegidos pelas trincheiras do acaso

Ziguezagueando para não nos cruzarmos

Com o inimigo. Que perigo!

Regressamos assustados, incrédulos 

Por não termos sido atingidos, 

Tratando as feridas, festejando, 

Enganando o boi que nos aponta os cornos.

Fui veloz, relâmpago, acrobata

Se tudo correr bem, este vírus não me mata. 

 

Escapadinha ou escapadelas

O que interessa é estar com ela.

 

Deixo as palavras irem à frente

Para ver se o inimigo faz lebre delas

Sigo a coberto do pensamento

Pelas sombras da distração

E no repente do momento

Engravido de vida o futuro que nasce

Nesta primavera de contrastes 

Solidão, flores e cores. 

 

 



carlos arinto maremoto às 11:09
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 25 de Março de 2020
Tempo de uma espera

Adiar, adiar, 

Procrastinar. 

Deixar correr

Ir? não!

Ficar!

Não fazer, 

Aguardar. 

Adiar, adiar, 

Esperar. 



carlos arinto maremoto às 16:43
link do post | comentar | favorito

asneirologia

Faz bem zangarmo-nos, 

Dizer uns impropérios

De vez em quando... 

Foi por causa de zangas

Antigas

Que se fez um império.

Se blasfemar é reação

A uma corrente de ar

A uma comichão,

Dizer asneiras

Torna todos as outras

Imprecações

Sentenças e afirmações

Razoáveis, possíveis 

Siciadas, assustadas, 

que o insulto

Tem de ser gritado,

A praga excomungada, 

O judas queimado, 

Confirmando a poesia

Que também pode ser

Negaça (insulto, ameaça)

Atiço para cão

Ou edital a que alguém diga não!

 



carlos arinto maremoto às 15:06
link do post | comentar | favorito

Assunto inventado

Lavo as mãos.

Como uma tangerina

E fica uma fragãncia no ar

De que gosto.

Vou á janela

E o ar arrefece

à medida que o dia

Desvanece.

Leio um livro

Ouço musica

Passo pelo sono

E estremunhado

Sonho com borboletas

De muitas cores

E o cheiro a pinheiros

A resina

A lavradores

Pescadores, gaivotas

Amoladores,

faz-me pensar que estou

Em outro lado.

Mas, não! estou aqui.

Confinado!

 

Aqui, numa sala fechado

Espero o dia em que seja

Libertado. 

 

Estou cansado

Enjoado

Tomo banho 

Para me entreter

Acaba-se a água

quando estou ensaboado

Já tenho aventura

Para escrever.

(Foi o tubo que se partiu?

O cano que se rompeu?

Ou a companhia que interrompeu

O fornecimento?)

Que batizado de epopeias

Corro para o teclado

Antes que se vá a inspiração

E sem dar por isso

O carteiro - que é sirene

dos bombeiros - diz-me 

Que o tempo das enguias

Acabou.

Gosto! Mas o que é que

Eu tenho a ver com isso?



carlos arinto maremoto às 14:54
link do post | comentar | favorito

Protecção

O pseudónimo, 

Remeteu para outro pseudónimo, 

Que por sua vez, desaguou

Num terceiro. 

O autor estava protegido. 

 



carlos arinto maremoto às 12:25
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 24 de Março de 2020
Insónia

Meia noite e eu sem dormir

Fico olhando o teto da minha sala

Esperando noticias que sejam

Conclusão se o doido sou eu

Ou quem anda lá fora, noite serrada, 

A fugir ao medo.

Tenho a luz apagada

Ouço barulhos de intrusão 

Pego na faca e aperto o cabo

-eles que venham!

O corpo retesado, pronto a saltar

Coração aos saltos

Meço a temperatura, o pulsar

E num golpe apanho o invasor

Pelas costas, à traição.

Bebo um copo de água 

Para me acalmar. 

 

Estamos no intervalo

 

Toda a casa estremece

É anunciada a continuação,

Que excelente série para ver

Na televisão!

 

Já passa da meia-noite

E nem sinais do fantasma

Agora vou dormir 

Que amanhã a vida muda

De sentido, de semelhanca

E o pesadelo será apenas

Lembrança! 



carlos arinto maremoto às 23:54
link do post | comentar | favorito

MAREMOTO
pesquisar
 
Agosto 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
13
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


textos recentes

Roxo

O livro na cadeira

Os sábios escuros que faz...

Absolutamente nada

Livros

O eco

Verde

Dança de espadas

Escurece

Avec

arquivos

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Junho 2016

Janeiro 2014

Março 2013

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

tags

todas as tags

links
a partir de:
28.03.2010