Pequenas opiniões sobre quase tudo que servirão para quase nada
Segunda-feira, 30 de Novembro de 2020
Repetir, repetir, repetir

Quando gostamos de uma coisa

Repetimos. 

Amor, amor, amor, gosto de ti. 

É comemos chocolates e repetimos

E comemos mais chocolates

E repetimos:

Amor, gosto de ti!

 

Saciamo-nos comendo

Pezinhos de coentrada

Peixinhos da horta

Lampreia de ovos

Sopa de penca, enguias fritas

E filhoses. 

 

E no mantra que é lengalenga

Repetimos: amo-te, adoro-te, quero-te muito

E baloiçamos uma oração descansada

Um pregão ciciado, um repouso de conforto

Segurança, protecção. 

 

Amor, amor, amor. 

E o mundo fica mais belo! 

 



carlos arinto maremoto às 17:54
link do post | comentar | favorito

O amor negro

O banco tem o comprimento dos assentos corridos das igrejas. 

É largo e permite que todos se apoiem e descanssem

Enquanto de mãos dadas os pares nubentes se olham. 

 

(grupos, adeptos, fanáticos e miserabilistas, políticos da oposição e até empresários da restauração em greve de fome) 

 

O amor que por aqui circula é amor de ocasião, 

Trazido pelo abandono, pelo delírio em ser possuído 

Pelo sangue do diabo, pela crueldade dos famintos

Pelos cornos de Belzebu: o embusteiro!

 

(acabaram-se as feiras e a experimentação seduz, toda a radicalidade tem o fascínio do perverso) 

 

Há amores que incendeiam. Amores que são derrotas.

Amores que não deveriam existir. Amores que estropiam. 

 

E na sela onde sentam os embustes que amam sem amar

Desfaço o nó que uma fumarola , rodeada de chuva aspergida

Me tinha ligado a ti, como uma dança fatal de bruxedo, 

Uma picada de aranha venenosa ou um equívoco 

Adquirido em promoção de negócio alucinado:negro. 

 

 

Sim o divórcio é um desfazer de coisas que nunca deveriam

Ter sido feitas, pensadas ou tentadas, pois estiveram sempre

Condenadas ao fracasso. O amor também é fracasso) 

 

Com o aparecimento dos aspiradores e discos de limpeza

As bruxas construíram o museu das vassouras

Dos ugentos, dos óleos e os fetiches desamarraram o enguiço

Que como balão preso, em aerofagia voou. 

(incluir o zig-zaguear da borracha e o barulho das gaivotas) 

 

E agora já não há amores negros, nem tolos no rebanho. 

São todos "meninos de coro" 

E aumentam os casos de suicídio no Japão! 

E por cá? Perguntas! Por cá não há estatísticas! 

 

 



carlos arinto maremoto às 00:12
link do post | comentar | favorito

Domingo, 29 de Novembro de 2020
Musgo

Na escada que leva ao meu terraço

Toda em laje, pedra brita e xisto

Crescem musgos que são lapas verdes

Que estão ali, desde o tempo da criação. 

 

Resistem todo o ano.

Assistiram ao meu nascimento,

Foram comigo à guerra, 

Lembram-se que houve casamento,

Batizado e namoradas dos netos

Em idades que são modestas vaidades

De gerações que vão existindo,

Por ali vivendo, aquelas pedras subindo. 

 

O meu avô e o meu neto são o musgo

Que trepa, se aloja, esconde e isola

Nas pedras da escada que levam ao terraço, 

Ao cimo, às oliveiras, às colmeias, às roseiras

E ao amor que sempre mora ali. 

 

Sao paredes, árvores, tetos e soalhos

Adobados a amor, a beijos, a desejos. 

 

Onde o meu pai matava galinhas, coelhos, 

Por vezes porcos com a ajuda do capador

Onde a terra varrida pelo vento se inventa

Debulhando espigas de milho ou eiras de feijão 

Onde o forno alto de coser pão, broas e cabritos

Se ilumina nas noites de engravidação

Que as mulheres invocam e benzem

Acrescentando.

 

Sou o mesmo musgo que meu pai criou

O fofo cabelo de areias e seixos que minha mãe amou. 

Sou a permanência que liga  todas as coisas,

Sejam elas matos, bichos, ervas, animais ou insetos

Todas as coisas a nós.

 

Sim, a casa faz parte de nós e nós da casa. 

Mesmo ambulantes, itinerantes, vadios, 

Nómadas e peregrinos, soldados e velhos cansados

O musgo reserva a minha unidade que regressa

Em cada retorno. E sobe comigo as escadas

Em pedra, em laje em xisto em passos cansados,

Até ao terraço, à eira, ao socalco e aos céus 

Dos sentimentos onde sepulto a minha alma. 

Na terra que comigo caminha. Musgo meu. 

 

 



carlos arinto maremoto às 18:07
link do post | comentar | favorito

Confundir vontades

Questiono o amor ao clube desportivo

O amor à política, 

O que dizem ser amor aos carenciados, 

Os que amam as tribos, as religiões, 

Os iluminados, os que confundem amor

Com alcoolismo, com drogas duras, 

Com alienação e dependência. 

 

Vêm isto no capitulo do amor

A propósito dos crimes ditos de amor

Da intolerância e da posse

Da prisão de não saber amar, mas subjugar. 

O amor é compreender e ser correspondido

Porque não há amor de direcção unica

Amor hermafrodito ou narcisista. Auto-amor

Ou amor doença, desviante. 

Amor que se quer confundir com imposição. 

 

Seria bom que pensassem os um pouco

Nisto. 

 



carlos arinto maremoto às 13:24
link do post | comentar | favorito

O apóstata

Se me esqueço nem atribuo importância aos sonhos

Se sou desprendido de amores, de vidas, de entusiasmos

E se ainda sobrevivo na ignorância de onde estou, 

O que faço aqui?

Certamente nada, ou muito pouco, ou até impecilho.

Por isso tomo notas no tal caderninho das memórias 

Para verificar - todos o a dias - se estou vivo

Se persistem as razões dessa constatação e se... 

Fazem o favor de me dizer as horas, porque acordo cedo

E o inverno não me deixa perceber se está a comecar

O dia, ou se já é a noite a baloiçar para mim. 

 

Nós, as anémonas somos assim. Tranquilas. 

Temos sentimentos escorregadios. Pólipos e medusas. 

Nao respiramos, somos enfeites e predadores

Queremos distância dos humanos. Não temos amores

E estamo indiferentes e apóstatas para vocês todos. 

(possuímos as nossas próprias cores, que são bem bonitas)

 

 

 



carlos arinto maremoto às 06:35
link do post | comentar | favorito

Sábado, 28 de Novembro de 2020
O acaso

Vieste me dizer que foi por acaso.

Acontece!

Na vida o acaso é fundamental. 

Foi um acaso ter-te encontrado

E num acaso te amei

Como de ti sempre gostei.

 

Se te lembrares, no dia do nosso reencontro

Lá onde se unem todos os que por acaso ali andam

Dá-lhe cumprimentos meus e diz-lhe que foi bom

Haver acasos assim. Acasos que ficaram 

(eternamente) parte de mim.

 



carlos arinto maremoto às 06:45
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 27 de Novembro de 2020
O tempo desamores

O tempo torna-nos diferentes.

Nem melhores, nem piores, diferentes. 

Outros!

Alguns, 

Continuando os mesmos, porque também dizem

Que nunca nos modificamos, vão ficando

Azedos! Amargos! Indiferentes ou radicais.

Outros tombam para a indigência da abstração. 

Tornam-se Santos, fanáticos do futebol, 

Militantes de seitas com nomes pomposos

E sabáticos.

 

O tempo destrói o amor, ou faz hábito da sua indiferença.

Não cresce com a saudade, cria ilusões e mentiras

Que se disfarçam em carinho, respeito, dependências. 

O amor explode quando se banaliza e mata quando é traído

Confundindo-se com todos os seus contrários :

Ódio! Vingança! Repulsa! Chacina! Alienação!

 

O amor! Ah! O amor é álibi para o que se quer

E na indefinição da sua construção, serve para todas as jogadas

Das causas, às pedradas, da desgarrada ao crime mais hediondo

Melhor seria que o desprezassem, é dele apenas fizessem

- o quê? Talvez croquetes ou pataniscas!

Sempre alimentavam país , filhos, netos, amigos e outros carentes

Que o tempo não está para bravuras. 



carlos arinto maremoto às 21:03
link do post | comentar | favorito

O cinismo do amor

E assim, incomodado com a minha perplexidade

Fico a pensar que tinha razão quando disse:

- o amor o que é? Um sentimento cheio de nadas!?

E decido não me preocupar com o absurdo da relação 

Entre corpos, atrações, paixão, palavras simpáticas

E gestos oblíquos. 

Eu tinha a certeza que o amor era nada, 

Um mito que justifica tudo e conforta a consciência 

Para maus pensamentos e piores acções. 

O amor é uma doença e como todos os males

Precisa, de ser tratado. Tantos livros, histórias, 

Romances, poesia e mais poesia, e afinal

Tudo serve para fazer crer e construir fé

Mas não resolve o que fazer e o querer bem. 

Já sabia que amor e amarração são sinónimos 

Agora tenho a confirmação, a certeza, o desvario 

De julgar pelas tuas mãos, de olhar pelos teus olhos

De beijar pela tua boca e de sentir pelo teu corpo

tudo o que a natureza produz em seus mistérios:

Luz, cores, explosão, sons e espaço, muito espaço

Para se viver o turbilhão pleno e sereno da vida.

 

Vês! Não se pode resistir ao amor!

Criar e destruir, são actos do mesmo impulso.

 



carlos arinto maremoto às 11:15
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 26 de Novembro de 2020
A impossibilidade

Queria escrever sobre as tuas mãos

De dedos longos e finos, 

Sobre a tua boca, o queixo, o rosto

Numa tentativa de te descrever

Mas não consigo. 

 

Queria falar dos teus olhos

Descer pela curvatura da face

E poisar no teu pescoço 

Como se estivesse a aprender a esculpir

A perfeição. 

 

Queria olhar os teus cabelos

E sentir o perfume de todas as flores

Que são de cheiro e de mar. 

 

E na fragilidade da tua presença de bambu

Sinto-me diferente. Talvez  melhor

Ou quem sabe perdido no sabor da indecisão 

De perceber quem sou e quem és!

 

Mas, o melhor será nada querer

Imaginar-te e viver como se o impossivel

Fosse... Impossível!

 

Estamos fartos de histórias de amor

Que acabam mal. 

De heróis que se matam. De felicidades

E de impossíveis realizados. Não!

A nossa vitória é outra, é ser divinamente

Feliz e ter a força do universo

No segredo que ocultamos, entre mim e ti, 

E nos beijos que todas as noites damos

Sabendo que nos amamos, como se isso fosse

Uma coisa normal, natural imprescindivel

E sem a qual seria impossível existir

(quanto mais viver)

 

Era sobre isto que te queria dizer, falar, confessar. 

Estando calado no silêncio das palavras!

 



carlos arinto maremoto às 20:53
link do post | comentar | favorito (1)

Sexta-feira, 20 de Novembro de 2020
Encantado

Encantado

Com as tuas plumas de pintainho

Acabado de nascer, 

Fiz-te um carinho

Era ainda manhã e o escuro desaparecia

Quando abriste os olhos e me sorriste.

Encantado, 

Como ave hipnotizado pelo olhar do gato

Não me mexi, e assim fiquei

A olhar para ti.

 

Depois o dia cresceu

E o nosso amor viveu

Encantado

Como leite derramado em chocolate. 



carlos arinto maremoto às 21:08
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 19 de Novembro de 2020
trintanario

 

 

 

Sinto o cheiro das ondas. (sim, cheiram a altas montanhas,

A barcos afundados, a terríveis dores) e solto o berro da gaivota

- Breee!!! Breee!!! Bree!!! Bree!!! Bree!!! Bree!!! Bree!!!

O vento afia as garras na espumas dos novelos de água

As nuvens vêm ver o que é e ficam baloiçando entre uma valsa

(frágil, ligeira, uma quase ampola de fragância e divergência)

E as pedras. São conchas, areias e medo. São aranhas do mar.

 

 

 



carlos arinto maremoto às 21:56
link do post | comentar | favorito

Resgate

O teu silêncio perturba-me

Entristece-me. Deixa-me morto.

 

E então, esqueço o que sou e sonho pregões antigos 

E outras cautelas para te buscar

 

Nem sempre o amor salva vidas

Mas posso tentar. 



carlos arinto maremoto às 09:46
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 18 de Novembro de 2020
Voando numa pernada de mar

De novo por aqui!?

A comer castanhas, rebuçados e vinho rosê, 

Mas, é mesmo você?

Não o esperava tão cedo, ainda agora chovia

Tenho ideia que o vi, no outro dia, 

Mas posso estar enganado, sou civil não soldado

E nesses tempos de arrependimento 

Quero-te toda, não um bocado.

 

Sim, esmoreço aqui.

Ensarilhamos as pernas em cruzeta

De armas aperradas ao peito

Ficamos na maresia, entre algas, sargaços

Caranguejos, amêijoas, canivetes

E eu gosto de te lamber a comer sorvetes.

 

É tudo uma tramóia despida,

Um bikini de sedução

Voaremos juntos, empresta-me as asas

Agarra na minha mão.

 

 



carlos arinto maremoto às 16:52
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 17 de Novembro de 2020
Receita semi erótica

Tenhamos em atenção o bolo de chocolate

Ou o de bolacha, 

Ambos calóricos, saborosos, doces... 

Um doce tem de ser doce.

E a musse do dito chocolate?

E a baba de camelo?

Derreto-me antes de engordar,

Lambo - te antes que o doce seque

Cristalize e se torne uma parte de ti.

Também se faz doce de batata doce

De alfarroba ou de pétalas de rosa

Com açúcar, muito açúcar e leite

Mexe-se com a cana do mesmo (açúcar)

E se estiver espesso, como calda de morango

Passe-se um dedo pelo ovo batido

E mergulhe-se na vagina da provação. 

 

Tome-se todo com o devido respeito

Amor e adoração. 



carlos arinto maremoto às 14:37
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 16 de Novembro de 2020
Silêncios de vida

Há um silêncio de vida, de arrependimento

Um silêncio de túmulo que uns idiotas rompem 

Colocando motores de carros a trabalhar

Por se julgarem úteis, pavões e negacionistas.

Há um silêncio que nos classifica 

Um bruá inútil que se extingiu

Uma réstea de verdade que como onda

Limpa todo o lixo excruciando o mal. 

 

Homens e mulheres mudos andam em circulos

Viaturas automóveis outra vez em estertor

E manifestações - algures-- de revoltados predadores

Um nojo, senhores, uma leviandade, uma corja. 

Esta seria a hora ideal para disparar e matar. 

 

O silêncio não deixa. 

O silêncio abandonou os homens e as mulheres 

Dentro de si próprios, no bandulho de si mesmos

E estes, rebentaram como bolhas. 

 

Sim, ficou o planeta cheio de merda

Por força da ventoinha que disseminou

A defecação dos civilizados anormais inquietos.

Há merda por todo o lado

Só se lamentam os doidos que se perderam

Os loucos que fugiram, os berros dos que morreram

Com as tripas à mostra.

Porque quebraram o silencio

Não existe absolvição para o entulho

No desmoronar dos altivos

Nem perdão para as bestas que se alevantam contra

 

 

O tempo morrerá, perene. O silêncio fica. 

 

 

 

 



carlos arinto maremoto às 02:58
link do post | comentar | favorito

Domingo, 15 de Novembro de 2020
Desvanecimento abrupto

Estranhamente, deixei de ouvir a tua voz. 

Foi de repente, como se a trovoada me tivesse ferido

Os ouvidos, o tato, o olhar e até o cheiro que tinha de ti. 

Deixei de escutar - que não é o mesmo que ouvir -

Deixei de perceber e de gostar

O que me desgosta é a raiva de não te amar

Porque tudo se estilhaçou nas nossas vidas

E agora é impossível.... Impossível... Impossível!

Sermos nós!

Mas, somos assintomáticos e representamos,

Somos mágicos e entre fumarolas, cheiros a enxofre

Nevoeiros e um Imperceptível  som de borbulhar 

Ignoramos que o mundo nos tragou

E que a música continua a tocar, como se tudo houvesse.

Con-ti-nu-ado a parar! 

 

E parou, não parou?

(Sim, é nesta estação que eu desço, obrigado! Continuem a acreditar)

 

 



carlos arinto maremoto às 07:48
link do post | comentar | favorito

Sábado, 14 de Novembro de 2020
Divergimos

Não sei porque gosto de ti

Em tudo divergimos.

Somos o oposto de nós mesmos

E não temos nada que nos una

À excepção, talvez! Ora, por favor,

Nunca o amor uniu duas pessoas.

São fantasias e recados que transportamos

Colhendo polens para alimentos da colmeia

Que nos dispensa e nos despeja

Logo que amansados os instintos.

São desculpas, justificações e absolvição

Para a nossa inconstãncia, ansiedade e derrota

Sim, não é possivel vencer o elefante da vida 

E mergulhar na versão da fonte que rejuvesnece

Como chegámos a acreditar na adolescência.

Divergimos em tudo

E em tudo nos separamos.

 

Porque continuamos a gostar?

Não faz sentido! A vida não faz sentido.

 

Por isso divergimos e nos amamos.



carlos arinto maremoto às 18:20
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 13 de Novembro de 2020
O universo somos nós.

Uma libelinha, um louva-a-Deus,

Uma figura fininha transformada (por mimétrica magia)

em camaleão, em águia, em leão...

Com dois paus, uma antena e um corpo de cobra

Que se esgueira por entre as pedras do rio

Assim te vejo. 

Frágil, sempre desperta em vigilância, vivaz

Refletindo as cores que o universo empresta

Para cegar os inimigos

Esgueiras-te por entre os canaviais e escondes-te

Do tumulto que enlouquece os sonhos da vida. 

Assim te encontro. 

Desamparada numa haste de sequeiro que sobrou

Ferida!

 

Todos nós vencemos sozinhos... (os que vencem, 

Muitos são destruídos, esmagados e devolvidos ao chão) 

Há sempre morcegos, corvos, grifos e predadores que espreitam

Monstros que erguem do passado, túmulos violados, 

Quando muito, podemos pensar que não estamos sós. 

Mas, estamos! O universo somos nós! Apenas um!

 

Os alternativos, na demência da reprodução, extinguiram-se.

Nunca mais se ouviu falar de outro assim. 



carlos arinto maremoto às 07:21
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 12 de Novembro de 2020
o milagre da fotografia

Gosto mais de ti

Com a pele macia e os lábios quentes

Quando estou contigo

Do que nas fotografias.

Fode-me, amor!

Dizes!

E eu deixo que a vontade seja nossa

E a arte silenciosa do afago

Se transforme em tumulto, em trovão

E as estrelas prateadas do teu cabelo

Cobrem-me com beijos e arrepios

E rodopiamos.

 

Assobio-te um beijo na fotografia 

E tudo desaparece!



carlos arinto maremoto às 14:13
link do post | comentar | favorito

Chulipa que me suporta

Não tenho culpa

Voo pelas chulipas da vida

Em rasantes planares

Como o sol, gosto de te amar

De-va-gar! 



carlos arinto maremoto às 10:02
link do post | comentar | favorito

MAREMOTO
pesquisar
 
Dezembro 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9

14
17
19

20
21
22
23
26

27
28
29
30
31


textos recentes

Inverno em covas

Novos autores

Êxtase

Talvez

Havia duvidas

Terapia de solidão

Olha aqui! Espreita!

Poinsetia

A noite de inverno

Transumãncia do amor

arquivos

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Junho 2016

Janeiro 2014

Março 2013

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

tags

todas as tags

favoritos

Despertar

Morrer algum dia

links
a partir de:
28.03.2010