Pequenas opiniões sobre quase tudo que servirão para quase nada
Quarta-feira, 31 de Maio de 2006
ensino na RTP

Ninguém pode ter ficado indiferente com a reportagem sobre a "violência e indisciplina" existente em algumas escolas, ontem exibida na RTP.

Atrevo-me a produzir apenas três pequenas notas:

- Enquanto os professores não se assumirem como educadores, o lugar da escola será apenas um local de passagem efémero e inconsequente para os alunos com problemas sociais ( com origem na família , no meio de onde são originários ou pela perspectiva de futuro que não possuem )

-Enquanto os professores não colocarem a "saúde cultural" dos seus alunos e os resultados acima das suas carreiras e dos seus interesses particulares, o ensino será apenas uma profissão como outra qualquer, com qualidades e muitos defeitos, sem objectivo nem resultados atribuídos aos professores - quem quiser aprender, aprende, quem não quiser que se lixe.

-Enquanto o Estado olhar para estes problemas e afirmar "não é bem assim, isto são casos de excepção" e os professores se acharem "coitadinhos e vitimas de uma profissão de risco" tudo tenderá a gravar-se, a deteriorar-se e a piorar. Afinal é nestas escolas que se começa a aprender a ser "delinquente"! Vai-se experimentando, a coisa funciona e depois é só continuar.



carlos arinto maremoto às 06:46
link do post | comentar | favorito

3 comentários:
De Fernando Vouga a 31 de Maio de 2006 às 15:33
Meu caro. O tema dá pano para mangas, mas vou tentar ser breve.
Para começar os professores, tal como nós, também têm direitos e toda a legitimidade para os defender. Nomeadamente o de serem respeitados e de disporem de boas condições de trabalho.
Grande parte dos problemas do ensino começam em casa em que as crianças não são devidamente educadas ou pertencem a famílias com problemas graves de inserção social. É confrangedor o elevado número de pais que se demitem das suas responsabilidades e não exercem qualquer autoridade sobre os filhos. Faz-me lembrar um amigo meu que, por brincadeira, dizia que só batia nos filhos em legítima defesa...
Muitas dessas crianças não aceitam qualquer espécie de autoridade dos professores.
Mesmo os melhores professores têm uma enorme dificuldade em manter a ordem nas aulas, porque nelas existem quase sempre elementos que se estão totalmente nas tintas para aprenderem. Fazem barulho, interrompem os professores, ameaçam os colegas mais ordeiros e estudiosos.
Mas os professores não dispoem de qualquer ferramenta coerciva, nem mesmo a ameaça de cumbo. Porque hoje é quase preciso um decreto para chumbar seja quem for.
Claro que há maus professores, mas o ambiente nas escolas, os baixos salários e os ataques do Governo não me parecem constituir grandes incentivos para melhorar. Talvez sejam mesmo para estragar os bons.


De maremoto a 2 de Junho de 2006 às 07:17
Meu caro fernando Vouga,
Vamos dividir a questão em duas partes: os encarregados de educação são manifestamente ausentes ( em muitos casos) mas a questão está em que eles (miudos) existem.
Segundo: os professores precisam de autoridade para chumbar e para disciplinar impondo sansões. Ao não fazer isto estão a criar delinquentes, pois geram a noção de que "está tudo bem".
Ser professor não pode ser visto como um emprego "normal" e uma profissão onde não se quer "chatices". Não diria que seja uma vocação, mas tem de ser mais do que uma profissão. Os professores também não se posicionam perante os jovens como "autoridade", muitas vezes querem ser "colegas", não podem!
Um abraço!


De Fernando Vouga a 2 de Junho de 2006 às 12:21
De acordo. Mas o que está em causa é a política do Governo. Para lá de estar a lançar uma campanha de desprestígio do sector (técnica tão querida dos governantes actuais), pretende transformar os professores em meros funcionários. Sendo assim, será de esperar que a classe sinta as especificidades inerentes à sua missão de educadores?


Comentar post

MAREMOTO
pesquisar
 
Novembro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


textos recentes

invisivel

retorno a Babel

Coluna de Hércules

A mão que dá

os tempos

livraria do mondego

filho

Hoje é dia

a vida é bela

ritmo helicoidal

arquivos

Novembro 2019

Outubro 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Junho 2016

Janeiro 2014

Março 2013

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

tags

todas as tags

links
a partir de:
28.03.2010